Área do cliente

O paciente no centro do cuidado: como o ICHOM pode contribuir para a tomada de decisão

No webinar apresentado pela Laços Saúde, especialista explica como a metodologia pode ser aplicada para mensuração de desfechos

O que realmente importa para o paciente? Um dos pontos fundamentais para responder a essa pergunta passa pela mensuração dos desfechos clínicos. E o ICHOM (International Consortium for Health Outcomes Measurement) é uma das metodologias utilizadas para medir esses resultados, além de avaliar a melhor forma de incluir o paciente idoso no centro do cuidado.

No webinar “É preciso medir o desfecho: o uso do ICHOM no cuidado ao idoso”, promovido pela Laços Saúde, Gisele Nader Bastos, diretora de operações da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, Martha Oliveira, CEO da Laços Saúde, e Iohana Salla, diretora técnica da Laços Saúde, conversaram sobre o método e compartilharam experiências relacionadas.

“Calcular valor é entender os desfechos que realmente importam ao paciente”, explica Gisele. E para fazer essa mensuração, ela destacou os três pilares do ICHOM, que podem ser utilizados em qualquer contexto, desde que sejam aplicados os questionários adequados a cada realidade:

  1. A publicação dos desfechos e resultados para que os pacientes possam escolher seus prestadores de serviço. Assim a tomada de decisão passa a ser baseada em indicadores, e a escolha é feita com base em evidências;
  2. Os dados e resultados publicados podem ajudar médicos e equipes a melhorarem a qualidade da entrega aos pacientes e seus familiares. “Vendo os resultados dos colegas, sei onde estou e onde posso melhorar”, diz a diretora;
  3. Redução de custos com ganho de eficiência. Se os médicos tomam decisões baseadas em desfechos, maiores são as chances de ter mais pacientes sendo tratados no mesmo local, aderindo a protocolos e diminuindo desperdícios.

Depois da explicação sobre a metodologia do ICHOM, foi a vez de Iohana Salla falar sobre o Buurtzorg, método holandês de atendimento domiciliar representado no Brasil pela Laços Saúde. Para ela, o caminho para o cuidado baseado em valor passa por soluções simples, como a valorização do vínculo.

“Em 2021, 72% das internações dos nossos pacientes foram evitadas com o atendimento presencial em casa. A gestão de riscos está atrelada à efetividade da prevenção de eventos. Faz muita diferença ter empatia, escuta ativa, relacionamento e disponibilidade para o paciente dentro da enfermagem, mas também precisamos medir desfechos no atendimento comunitário, afinal, a Laços vende resultados”, conclui Iohana.

© 2021 Laços Saúde. Todos os direitos reservados.